Corvette C5 : O despertar da besta.

Conseguir propor um automóvel ainda mais incrível do que as últimas versões do C4, era um desafio quase intransponível. No entanto em 1997 e após três anos de trabalho a Chevrolet brinda-nos com a quinta geração do Corvette. Dotado de novos motores com potências inéditas, de um novo chassis e de uma estética melhorada, o novo Corvette volta a subir um patamar no que diz respeito ao prazer da condução.

Inicialmente prevista em 1993, a nova geração do Corvette vê a sua renovação adiada. Pois o bom desempenho comercial do C4 e o desejo de satisfazer uma clientela cada vez mais exigente leva os dirigentes da Chevrolet a esperar mais um pouco.

Será finalmente em 1997 que a marca anuncia a chegada da nova geração, como vem sendo habitual este é apresentado no início do ano em Detroit, no principal salão automóvel dos Estados Unidos.

Os designers têm todos os motivos para se orgulhar do seu novo trabalho, o Corvette C5 marca uma ruptura sem no entanto renunciar ao ADN do C3 e do C4 dos quais ele é o descendente. Com mais 8 centímetros de comprimento, a nova geração caracteriza-se por um estilo de linhas mais suaves, mas também musculadas, é como se o novo C5 tivesse passado dias inteiros na sala de musculação.

Apesar disso, o C5 consegue ser 31 quilos mais leve graças ao regresso da utilização da fibra de vidro na carroçaria. Uma das prioridades deste Corvette C5 é o de atualizar as suas prestações e o comportamento em estrada, para isso passa a dispor de um novo chassis ainda mais rígido e o seu coeficiente aerodinâmico é impressionante com um Cx de 0,29. No que diz respeito à repartição das massas, esta é quase perfeita com 51,4% na frente e 48,6% atrás. Este equilíbrio deve-se à utilização do sistema trans-axle que mantém o motor em posição frontal,mas desloca a caixa de velocidades para uma posição central traseira.

Quanto às motorizações, o C5 estreia um motor totalmente novo construído em alumínio. Este “Small Block” de 5700 cm3 de cilindrada com 345 cv vem mostrar que o Corvette não está para brincadeiras face a uma concorrência cada vez mais apertada, com a chegada de novos elementos, tais como o Honda NSX e o Dodge Viper.

De funcionamento discreto este motor que equipa o C5 é bastante eficaz, precisando apenas de 5 segundos para realizar o exercício dos 0 aos 100 Km/h e atingindo uma velocidade máxima de 275 Km/h. Pelo que o C5 não tem nada a temer em termos desportivos, assim como em termos tarifários. Pois é proposto a um preço bastante interessante, se compararmos com o Ferrari F355 que custa mais do dobro.

Muitos de vós já estarão a pensar… mas um Corvette não é um Ferrari. É por esta razão que a Chevrolet vai propor um novo Corvette C5 Coupé de teto fixo, o que já não acontecia desde o C2. Este “super” Corvette possui uma arma secreta – O motor LS6, um “Small Block”de 405 cv. Batizado de Corvette Z06 este está apto a rivalizar com os superdesportivos do momento, tais como, o Porsche 911 Turbo, o Aston Martin DB7 ou ainda o Ferrari 360.

Chique e desportivo

Para os puristas quem diz Corvette diz descapotável. Estes tiveram que esperar um ano após o lançamento do Coupé para ver chegar a versão Cabriolet. O novo descapotável não sacrifica em nada a desportividade. Se o Corvette foi inicialmente um carro desportivo projetado para andar com os cabelos ao vento, este C5 respeita completamente a linhagem.

Tal como tinha acontecido com Corvette C4 há doze anos atrás, será na mítica corrida das 500 Milhas de Indianapolis que o novo C5 Cabriolet será desvendado. Conduzido pelo piloto Parnelli Jones, este C5 será o Pace Car da legendária corrida.

Para comemorar o lançamento a Chevrolet decide propor uma edição limitada, esta é uma réplica do Pace Car utilizado na corrida. À excepção do equipamento próprio para a corrida, o C5 Pace Car Replica de cor violeta e amarela é em tudo idêntico à versão original. Esta edição especial de 1150 unidades, tal como os outros descapotáveis estava equipado do V8 LS1 de 345 cv.

C5 Pace Car Réplica

Presentes durante os últimos 43 anos, o C5 seria o último dos Corvette a estar equipado de faróis escamotáveis. Por razões de segurança e pela sua incompatibilidade com as lâmpadas de xénon, estes são abandonados. Com a chegada do novo Corvette C6, o desportivo americano regressa às origens.

Vive a Tua Paixão!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s