Citroën – 100 Anos de Inovação (conclusão).

No início dos anos 70 viveram-se momentos difíceis para a Citroën, os elevados investimentos na Maserati e no desenvolvimento do motor rotativo os quais não trouxeram quaisquer retorno, em conjunto com a primeira crise petrolífera deixaram a Citroën em maus lençóis. A Michelin que era o principal acionista desinteressou-se da empresa e começa a procurar um comprador. Em 1974 é declarada a falência, o que leva o governo francês a pressionar a Peugeot para comprar a Citroën de modo a evitar que a marca fique na mão de estrangeiros. Começa então aquele que é para os « citroënistas » o período mais negro na história da Citroën.E02FAED5-DE66-48FB-89C3-4871A918A5AB

Os anos Peugeot

Pouco antes da transição a direção da Citroën ainda tem tempo para apresentar o último dos verdadeiros Citroën,o CX para substituir o velhinho DS.

 

É o fim da independência para Citroën, dá-se inicio  a uma longa travessia do deserto. Embora a Peugeot sempre tenha negado, começa uma política de delapidação do espírito criativo da Citroën, para impôr á força o conservadorismo que sempre caracterizou a marca do Leão relegando a Citroën para uma marca de segunda categoria. Como se se tratasse de uma vingança pelas humilhações do passado sempre que a Citroën lançava um novo modelo.

D949F1CC-BF80-4F5F-9823-FD13BC4AA1B5
Citroën BX, modelo que contribuiu para o salvamento do grupo PSA.

A integração no grupo PSA revela-se complicada, existem muitas fricções, de tal forma que uma boa  dos engenheiros e designers da Citroën acabam por abandonar a empresa, pois recusam adaptar-se às novas directivas. E isto vê-se nos anos seguintes em que os modelos apresentados, salvo algumas exceções como por exemplo o Citroën BX e o XM , são automóveis sem a alma e irreverência da Citroën. A imagem da marca é a de um construtor entre muitos, com a particularidade de vender automóveis baratos.

2D116F8E-13B1-4F80-993E-AAB31F5F712E
Citroën XM carro do ano em1990

É com a nomeação de Jean-Martin Folz como presidente do grupo PSA que as coisas começam a mudar, as duas marcas do grupo começam timidamente a assumir as suas diferenças com o lançamento dos C2,C3,C4,C5 e dos monovolumes Picasso.

No ano de 2005 a Citroën arrisca e 50 anos após o DS apresenta o seu novo topo de gama o Citroën C6, um automóvel bastante elegante, com muitas qualidades e dotado de motores de prestígio V6. Mas este não atinge de todo as expectativas, talvez por culpa da imagem de marca da Citroën que nunca poderá rivalizar com a concorrência alemã, tendo uma curta carreira e sendo vendidos apenas cerca de 23000 exemplares.E5D196A7-B609-4CC6-9088-251131564A2F

Anos mais tarde surge uma nova família de modelos designados por DS que pretende ser uma gama mais luxuosa na Citroën, surge então o DS3 a versão 3 portas do Citroën C3 adoptando de certa maneira o mesmo espírito do Mini feito pela BMW, sendo um modelo com várias opções de personalização. O DS3 será o modelo de maior sucesso da gama DS, que se tornará anos mais tarde em DS Automobiles uma marca totalmente independente.B109DD81-E855-4D3A-B611-DAB5884CDD29

Um Novo Começo

No ano de 2014 o grupo PSA volta a viver momentos difíceis, é então nomeado o português Carlos Tavares para a presidência da PSA-PEUGEOT-CITROËN com a difícil tarefa de reerguer o grupo. Parece-me ter sido a escolha acertada tendo em conta os resultados obtidos.

Com o novo presidente vai definir-se qual o posicionamento de cada marca no grupo, cabendo à Citroën o papel de irreverente do grupo. Linda Jackson assume a direção da Citroën e inicia-se um processo de renovação da gama marcado pelo C4 Cactus, com um estilo exterior e interior audacioso para marcar a ruptura.

E1B087D6-1E69-421A-98C2-A0FBDAEC67D3
Após o Citroën C4 Picasso, o C4 Cactus marcou a renovação do design.

A marca aos “chevrons” está num momento crucial da sua história. A nova direção impulsionada por Carlos Tavares deverá ser capaz de incutir a dinâmica necessária para restaurar aquela que segundo as sondagens é a marca automóvel preferida dos franceses. Isto implicará voltar aos fundamentais da marca: a inovação, a vanguarda a irreverência – inspirar-se do passado para garantir o futuro.

Neste ano celebra-se o centenário da Citroën com diversos eventos, o primeiro foi no Rétromobile com um excelente stand comemorativo ao qual tive o prazer de ver. Está também previsto o encontro do século no verão na “La Ferté-Vidame” local emblemático para a Citroën onde está situada a sua pista de ensaios.EFB4AD82-7505-4EF8-8F46-B6090EB2852DPara assinalar o centenário, continuarei a partilhar no Mundo Sobre Rodas convosco histórias do passado, os modelos históricos, aqueles que todos esqueceram e claro acompanhar o futuro.

Parabéns Citroën .

 

3 thoughts on “Citroën – 100 Anos de Inovação (conclusão).

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s